O conde de Monte Cristo

Resumo, resenha e notas de O Conde de Monte Cristo, de Alexandre Dumas

O Conde de Monte Cristo de Alexandre Dumas (pai) É o romance que mais li. É a quinta vez em 30 anos e cada vez me deixa com um sabor diferente na boca, com o qual percebo como estou mudando e como minha personalidade e meu modo de pensar estão mudando.

É uma edição de 1968, herança de família. Sempre li este volume, o das fotos, desde pequeno, e além da história adoro ler esta edição particular que me faz lembrar todas as vezes que o li. Isto é Edições Rodegar com tradução de Javier Costa Clavell e capa de Barrera Soligro

Situado no século 1815, o romance começa em XNUMX. Se você não conhece, é a história de uma vingança. A VINGANÇA. Um dos grandes clássicos da literatura mundial.

Resumo do trabalho

Livro O Conde de Montecristo, dos Ediciones Rodegar. Molde de livro

Se você não deseja saber nada sobre a obra antes de lê-la, não leia esta seção. Van SPOILERS

Edmundo Dantes, é um jovem orgulhoso, confiante, nobre e bem sucedido, que vai se casar e ser nomeado capitão. Isso desperta a inveja de alguns vizinhos e é traído para fazê-lo desaparecer por diferentes personagens. Uma série de infortúnios catastróficos que se juntam para acabar afundando-o.

Você ficará trancado no Castelo de If, ​​onde encontrará o Abade Faria, que o instruirá e contará sobre o segredo de um grande tesouro. e daqui em diante, tudo em sua vida gira em torno da vingança dos homens que destruíram sua vida.

Resumo do livro de Alexander Dumas

Vale tudo, tudo é pensado. Tudo é cruel. É o fim que justifica todos os meios para destruir aquele que o feriu.

- Se um homem tivesse feito seu pai, sua mãe, sua noiva morrer em atroz tormento perpétuo, você acreditaria que a reparação que a sociedade lhe concede é suficiente pelo simples fato de a lâmina da guilhotina ter passado entre a base do occipital e o os músculos do pescoço do culpado, da pessoa que o faz sofrer há anos e que sofreu apenas alguns segundos de dor física?

Transmitindo justiça, vida e morte como se fosse um deus. Até que ele mesmo perceba o poder que veio para obter e considerar suas ações.

O Abade Faria, um criador

Capítulo do abade Faria no castelo de If

O abade Faria, é uma personagem secundária da peça, que Edmundo Dantés conhece no seu confinamento no castelo de If. Um homem sábio que o treinará e que utilizou sua engenhosidade para se prover de tudo o que precisava.

"Mas, sem canetas, como você poderia ter escrito um tratado tão volumoso?"

- Fiz com a cartilagem daquelas pescadas que às vezes nos dão comida.

-E a tinta?

-Antes que houvesse uma lareira na minha masmorra. Eles cobriram logo antes de me trancar lá. Mas como o fogo já estava queimando havia anos, estava coberto de fuligem. Dissolvo essa fuligem num pouco de vinho, do tipo que nos servem aos domingos, e consigo uma tinta excelente. Para notas que merecem ser destacadas, pego meus dedos com um alfinete e escrevo com meu sangue.

Nesse sentido, podemos considerá-lo um fabricante, pela força, mas sem dúvida sua engenhosidade e determinação são muito reminiscentes do espírito que pressupomos nos fabricantes.

É a primeira das 5 leituras em que isso vem à mente.

O castelo de If e a Ilha de Montecristo

Dos diferentes locais da obra 2 se destacam dos restantes, o castelo de If e a ilha de Montecristo. E sim. os 2 existem.

Ilha e Castelo de If

Pertence à França. Seu castelo é uma fortificação construída entre 1525 e 1527.

tem sido o cenário de diferentes romances além de Dumas. Por exemplo, O Homem da Máscara de Ferro está trancado neste castelo, mas é uma lenda, isso não é real, embora eles definam dessa forma.

Ilha Montecristo

Pertence à Itália, especificamente à Toscana. É um pequeno ilhéu de 10,39 km². É uma ilha desabitada e declarada reserva natural de caça e só pode ser visitada com autorização. Não está no mesmo local que eles citam no romance. É realmente perto da Córsega e da ilha de Elba.

No romance é um cenário importante porque é onde se enlaça o tesouro do Cardeal Spada e que permite a Edmundo Dantes assumir a sua nova personalidade e lançar-se à vingança.

Curiosidade de escrever com a mão esquerda

Uma curiosidade que tenho que verificar e deixar uma imagem para vocês. Em um ponto do romance, eles citam o seguinte

Isso porque a carta foi escrita com a mão esquerda. Sempre observei que as letras escritas com a mão esquerda são notavelmente semelhantes entre si.

Todas as letras para canhotos são realmente parecidas? isto é, destros que escrevem com a esquerda.

2 comentários sobre "O Conde de Monte Cristo"

Deixe um comentário